Pular para o conteúdo principal
BlogCustos mais baixos e menos competição: Por que as OTTs devem considerar nuvens alternativas

Custos mais baixos e menos competição: Por que as OTTs devem considerar nuvens alternativas

Custos mais baixos e menos competição: Por que as OTTs devem considerar nuvens alternativas

À medida que os serviços de vídeo e streaming over-the-top (OTT) ultrapassam o cabo e se tornam a principal forma de os consumidores assistirem a programas, esportes, filmes e muito mais, a computação em nuvem está pronta para desempenhar um papel fundamental. Muitos provedores de OTT ainda consideram as nuvens em hiperescala como a única maneira de fornecer vídeos rápidos e de alta qualidade. Muitas vezes, isso faz com que os serviços OTT - especialmente os participantes menores e emergentes - paguem por mais serviços em nuvem do que precisam e percam os recursos que desejam.

Existem outras opções, porém, mais adequadas para atender às necessidades dos OTTs na forma de fornecedores alternativos de nuvens. De melhor desempenho a características únicas e funcionalidades essenciais, alternativas a Amazon Web Services, Google Cloud Platform e Microsoft Azure podem ser mais adequadas para streamers em crescimento porque oferecem o essencial das nuvens sem a complexidade e os custos associados aos grandes provedores de nuvens. 

Este tópico foi o foco de um webinar recente da Trender Research intitulado, "Como os OTTs Economizam Dinheiro e Melhoram o Desempenho através da Transmissão de Vídeo em Nuvem Alternativa". O CEO da Trender Brian Mahoney, CEO da Red5 Pro Chris Allen, co-fundadores da MIXR Garvan Doyle e Blaze Cerovec, e nosso chefe de comunicações Mike Maney discutiram como as OTTs estão se beneficiando ao mudar para uma nuvem alternativa.  

1) Melhor desempenho, a um preço melhor

Quando se trata de streaming de vídeo, o que mais importa é o desempenho. Imagine a transmissão do jogo do campeonato de futebol e ouvir a multidão da outra sala reagir ao jogo vencedor antes de ver o que aconteceu. A latência é uma quebra de contrato para a maioria dos OTTs, e é por isso que eles estão dispostos a bifurcar enormes quantias de dinheiro para nuvens hiper-escalonadas para evitar isso.

Mas maior nem sempre é melhor. Em muitos casos, os fornecedores alternativos de nuvens podem fornecer uma latência mais baixa a um preço melhor. Enquanto os hiperescaladores cobram custos flutuantes na saída ou largura de banda para garantir um desempenho de alto nível, os provedores alternativos cobram taxas fixas. Ao fazer isso, as nuvens alternativas prometem a mesma latência ou menor latência, resultando em uma relação preço/desempenho mais atraente para os usuários.

"Essa é uma das razões pelas quais trocamos", disse Cerovec, co-fundador da Mixr. "Operamos a frações do custo que costumávamos fazer com os três grandes fornecedores". Mixr, uma plataforma de bate-papo social interativo de vídeo onde os usuários podem jogar jogos juntos, requer streaming do vídeo e conteúdo de mídia da webcam de seus usuários simultaneamente e sem latência. Para conseguir isso, Cerovec e seu co-fundador Garvan Doyle fizeram experiências com vários provedores de nuvens hiperescalonadas antes de perceber que Linode entregaria o mesmo resultado por menos. 

2) Uma mistura de características de núcleo e nicho  

O mercado das nuvens está se tornando mais complexo. Uma vasta gama de novas e diferentes ofertas pode dificultar a escolha do parceiro certo, especialmente para usuários de nuvens com necessidades únicas. De acordo com uma pesquisa da Trender Research, a necessidade de APIs de código aberto e configuráveis, conformidade com a privacidade e integrações de terceiros encabeçam a lista de características e funcionalidades que os OTTs querem de seus provedores de nuvens, juntamente com serviços essenciais econômicos (armazenamento, rede e computação). 

Nuvens alternativas podem fornecer o essencial e, graças ao software de código aberto, oferecer flexibilidade para o desenvolvedor. "A lista de características das nuvens de hiperescala continua para sempre, mas o que você realmente precisa", perguntou Doyle. "[Mixr] não está fazendo muita computação quântica na nuvem, então é necessário limitar o que você realmente precisa do seu fornecedor de nuvens". 

3) Suporte ao cliente para todos

Ao fornecer serviços ao vivo, sob demanda, para clientes no mundo inteiro, as OTTs devem ter um parceiro na nuvem com suporte ao cliente ao vivo, sob demanda, para se adequar. "Logo quando começamos, AWS ou GCP não nos olhavam de frente", explicou Cerovec. "Desde que nos mudamos [para uma nuvem alternativa], o suporte e a orientação contínua que recebemos nos ajudaram a crescer e escalar para o que somos hoje". 

Os fornecedores alternativos de nuvens também podem suportar OTTs com implantações e atualizações rápidas de nuvens. "Os provedores alternativos de nuvens adotaram uma estratégia de baixo para cima, abordagem "desenvolvedor-primeiro"", acrescentou Allen. "Isso é um grande negócio, e eu acho que era realmente necessário no mercado [de nuvens]". 

4) Uma nuvem mais digna de confiança

Seja no YouTube ou Prime Video, as empresas-mãe por trás do Google Cloud e AWS são os próprios fornecedores de OTT, o que significa que são concorrentes diretos. Como as OTTs podem confiar nessas nuvens para alimentar seus serviços?

Os gigantes da tecnologia são conhecidos por exercerem sua influência em todos os mercados para fortalecer seus parceiros e promover seus interesses em detrimento de fornecedores e clientes. A escolha de uma nuvem alternativa elimina este risco e garante que os OTTs tenham um parceiro em quem possam confiar.

À medida que uma nova geração de OTTs emerge e se torna a força dominante do consumo de entretenimento, cresce também a importância de alternativas confiáveis às nuvens hiper-escalonadas. Os fornecedores alternativos de nuvens podem desbloquear novos potenciais para as OTTs, uma vez que pretendem fornecer novos serviços interativos, ao vivo e de nicho para seus usuários - com baixa latência e a baixos custos. 

Confira a conversa completa a partir do webinar on-demand. 


Comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *